VIGOREXIA, UM MAL QUE AFLIGE OS FISICULTURISTAS PORTUGUESES: FACTO OU MITO?


Marcelo Victor Rodrigues do Nascimento; Ricardo Lima; Filipe M. Clemente; Bruno Silva; João Miguel Camões

RESUMO

Este trabalho teve por objetivo conhecer a percepção que os fisiculturistas portugueses possuem do próprio corpo, relacionando-a com os sinais e sintomas próprios da vigorexia, a fim de constatar a existência de tal patologia ou não no universo estudado, bem como o grau de severidade, sem houver. Foram aplicados os seguintes instrumentos de coleta de dados: um conjunto de silhuetas destinado a verificar o grau de satisfação com a imagem corporal e um questionário destinado a identificar a presença e a severidade dos indícios de vigorexia. Os resultados obtidos foram os seguintes: (1) 1 atleta não apresentou indícios de vigorexia; (2) 16 atletas apresentaram alguns indícios de vigorexia; (3) 29 atletas apresentaram todos os indícios de vigorexia; (4) 5 atletas estão satisfeitos com a imagem corporal; (5) 20 atletas desejam aumentar um pouco a imagem corporal; e (6) 21 atletas desejam aumentar muito a imagem corporal, mostrando um alto grau de insatisfação com sua imagem actual. Concluiu-se, neste estudo, que, segundo os parâmetros utilizados nesta investigação, a vigorexia é um mal que aflige, de facto, uma parcela significativa dos fisiculturistas portugueses.

Palavras-chave: Vigorexia, Transtorno dismórfico corporal, Fisiculturismo, Imagem corporal.

Artigo